NO AR
Programa: Show da Cidade
Locutor: Clemilto Oliveira

Gasto de 16 municípios de SC com câmaras de vereadores supera o valor arrecadado com impostos

Tudo que 16 cidades catarinenses conseguem arrecadar com impostos em um ano é insuficiente para bancar suas próprias câmaras de vereadores. Os dados são de um recorte feito pelo DC com base em um estudo nacional do Sebrae e da Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil (CACB), que considera a arrecadação dos municípios e exclui as transferências obrigatórias do governo federal. No país, 706 vivem nesta situação.

Entre os catarinenses, a pior relação entre receita e despesa legislativa está em Celso Ramos, cidade de 2,7 mil habitantes no Planalto Serrano. A Câmara de Vereadores consumiu R$ 603 mil em 2016, enquanto a receita própria foi de R$ 361 mil. O restante da verba municipal, R$ 17,8 milhões, veio de transferências. O maior gasto per capita com vereadores, contudo, foi registrado em Lajeado Grande, no Oeste, onde cada habitante desembolsou R$ 500 em 2016 para manter o parlamento local. Questionada, a casa legislativa limitou- se a dizer que não descumpriu a lei. A Câmara de Celso Ramos foi contatada, mas não retornou.

Apesar do flagrante desequilíbrio, Lajeado Grande, Celso Ramos e as outras 14 cidades catarinenses estão dentro da legalidade. Pela Constituição Federal, o duodécimo, como é chamado o repasse ao Legislativo, é uma porcentagem da receita total dos municípios e varia conforme a população. Para cidades com até 100 mil habitantes, o limite é de 7% sobre a receita – incluindo as transferências federais obrigatórias. É o caso das cidades catarinenses que apareceram no levantamento: todas têm menos de 8,8 mil habitantes.

Para o presidente do Observatório Social do Brasil (OBS), Ney Ribas, essa forma de calcular o duodécimo – com base na receita total e não na própria – acaba incentivando despesas maiores. Mesmo assim, é possível reduzir o valor com pressão popular.

– É comum termos a lei orçamentária anual (LOA) aprovada com valores superestimados propositadamente para propiciar uma falsa expectativa de receita e, por conseguinte, um orçamento irreal. Um exemplo inédito em SC é o de Tubarão, onde um projeto de iniciativa popular, liderado pelo Observatório Social, foi acatado e aprovado por unanimidade pela câmara, reduzindo o duodécimo em 43% (R$ 4,7 milhões) do valor inicialmente estimado – explica.

 
Vereadores voluntários

Para Sebrae e CACB, reduzir o desequilíbrio das contas passa por cortar gastos legislativos. A proposta dos autores do estudo é que o trabalho de vereadores deixe de ser remunerado. A maior parte da despesa das câmaras é com a folha de pagamento, que abocanha, em média, 60% da verba. 

Não é exatamente uma novidade. No Brasil, em 1967, houve limitação à remuneração desses parlamentares, e só os das capitais e de cidades com mais de 100 mil habitantes recebiam salários. Em 1969, o limite mudou para municípios com mais de 300 mil habitantes. O assunto voltou à pauta nacional em 2012, quando o ex-senador Cyro Miranda (PSDB-GO) fez uma proposta de emenda à constituição (PEC) que sugeria o fim do salário para vereadores de cidades com até 50 mil pessoas. A PEC 35/2012 acabou arquivada no ano seguinte.

O advogado e doutor em Direito pela USP Marcelo Machado, que à época defendeu a proposta, acredita que a autonomia de quem exerce a função sem remuneração é maior.

– Isso é a metáfora do Brasil: o povo trabalhando e pagando impostos para que o Estado banque a si próprio. Em outros países, a função de conselheiro municipal (equivalente a vereador) é uma coisa que fazem de bom grado, em prol da sociedade – diz.

A câmara de Frei Rogério – a única entre as 16 que respondeu o questionamento sobre vereadores voluntários – se declarou favorável à proposta, mas questiona se, com o alto nível de corrupção do país, a economia chegaria ao cidadão.

Cidades pequenas e dependentes 

Na avaliação do diretor de controle de municípios do Tribunal de Contas do Estado (TCE-SC), Moisés Hoegenn, o problema é complexo e está mais concentrado na dificuldade de geração de receitas do que na despesa da administração, como é o caso do Legislativo. Em geral, diz, são cidades que já nasceram com esse desequilíbrio, com atividade preponderantemente agrícola e sem capacidade de arrecadação de impostos municipais, já que o IPTU, por exemplo, incide sobre o perímetro urbano – que nessas cidades é pequeno – e o ISS, sobre serviços, que não é o foco da economia da cidade.

– A situação mais grave é quando o Fundo de Participação dos Municípios é a principal receita. Não que não possa haver um enxugamento da despesa da Câmara, mas o efeito que se deseja é praticamente inviável. 

A maioria dessas câmaras são salas ou espaços dentro das prefeituras, que funcionam só nos dias de sessão, ou até têm sede própria, mas com um quadro de pessoal não muito extenso. A possibilidade de reduzir o quadro é  pequena. O problema é que municípios desse tamanho não poderiam existir – afirma Hoegenn.

 É o caso, por exemplo, de Frei Rogério, cidade de atividade agrícola, onde até o ano passado a câmara funcionava dentro da prefeitura. Lá, o Legislativo tem um total de quatro funcionários e os vereadores reduziram os salários de 2016 para este ano, ao passar de R$ 2.051 para R$ 1.860. Segundo o TCE-SC, há em Santa Catarina 105 cidades com menos de 5 mil habitantes, nas quais o volume de receita própria varia de 5% a 30% da receita total.

Para o Observatório Social do Brasil, a sustentabilidade das cidades, inclusive das pequenas, depende de planejamento e aplicação de ferramentas de gestão e controle, somados a uma cultura de governança com a  participação da sociedade e fortalecimento dos Conselhos Municipais.

Fonte: Diário Catarinense

 

 

Ao Vivo

Trânsito Agora

Tempo